terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Ajuda

Passava um dia de descanso. Sem fazer nada, apenas numa máquina que abre portas para o mundo virtual. Seus olhos estavam cansados de sempre ver as mesmas coisas e portanto, levanta e caminha até a cozinha sombriamente para tomar seu café da tarde.

Sua mãe acomodava-se na cadeira de madeira para petiscar alguns alimentos enquanto, ao ver sua filha chegar, começou a falar as mesmas frases já repetidas sobre seu homem. Para piorar, ele, terrivelmente chega a cozinha com desespero para preparar algo que lhe foi proporcionado. Com sua agitação demonstrada em rosto e em corpo - onde para a mãe transformou-se em raiva - o pai, pede para a filha pegar os materiais para o preparo daquilo que lhe fizera desesperar-se. Obediente e assustada com tamanha grosseria da entrada do pai, ela pega e leva-os para o fogão com rapidez.

Ao colocar os materiais na pia, a filha virou-se para a direção do pai e acabou vendo sua mãe (atrás dele), que a pouco estava sentada na cadeira petiscando. Em um instante não visto a olho nu naquela cozinha, um acidente ocorre: no mesmo segundo do pai ter pisado para trás, a que apareceu de repente pisou para frente apenas alguns milésimos de segundo antes. No choque do desespero, ela quebrara seu dedo do meio do pé esquerdo, já que calçava chinelo, e não tênis como o causador de acidentes.

Ao ver o rosto de sua mãe que se traduzia em dor, a filha fica sem entender nada. No entanto, seus olhos vão de encontro ao pé esquerdo dela, e é quando sua explicação chega. O dedo fraturado da vítima estava entre um espaço dos outros, onde ele se encontrava totalmente curvado dos demais. Para a filha, "mamãe estava com vontade de mostrar aquele mesmo dedo para papai, que com tamanha audácia, ainda se queixara de seu aparecimento imediato, onde ela apenas levantara para oferecer sua ajuda."

PorBella