segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Silêncio

Sentados em um banco de uma praça,
O silêncio predominava.
O silêncio que esteve sempre ali,
Jogado pelos ares
Perdido no espaço

Será que esta alma deveria ter se revelado?
Será que ela realmente queria se mostrar,
Se deixar levar pela felicidade?
Ou será que ela fez a escolha certa em se calar,
E deixar o tempo levar?

Doce a ingênua criança
Que planeja as coisas.
Imagina que, talvez,
Arrumar alguém
Seja uma distração fácil.

Esta alma pensa quando se sente só,
Quando se sente fria
E por vezes se sente má.
Logo, segue em frente e esquece do ontem,
Pensa no hoje
E principalmente no amanhã
Razão pelo qual se manteve calada.

PorBella