quarta-feira, 7 de setembro de 2011

A magia do império Disney

É simplesmente fantástico quando leio as belíssimas palavras que foram deixadas pelo ilústre Walt Disney. E pensar que tudo começou com um rato, é realmente mágico.

Ginha Nader sabe melhor do que eu sobre toda essa magia e sobre a vida de Walter Elias Disney, portanto, escreveu "A magia do império Disney" e entre outras dezenas de livros sobre o artista. Com uma história tocante, Nader conseguiu enxergar a luz no fim do túnel. Mesmo não sabendo do que se tratava, com o esforço e garra hoje é considerada como a maior especialista Disney da América Latina.

O livro trata-se da vida de Walt desde o início - quando ficava sentado desenhando flores com rostos na estação de trem em Marceline, apreciando todas as pessoas indo e vindo e, principalmente, o próprio trem. Naquela época para o pequenino gênio, era o único veículo que o trasportava para as aventuras do mundo. De origem simples, o garoto morava com seus pais (Elias e Flora) e seus quatro irmãos (Hebert, Raymond, Roy e Ruth) em uma fazenda em Marceline. Na verdade, na maioria das vezes eles viviam se mudando por causa dos fracassos negócios que seu rigoroso e severo pai abria. Mas consideramos Marceline pois foi onde o pequenino Walt (que tinha 4 anos) guardou suas melhores lembranças sobre sua infância, que serviu de inspiração mais tarde.

Desde o início a carreira de Walt começa, principalmente, por causa de seu irmão Roy, que sempre o ajudava financeiramente com os seus loucos sonhos. Talvez seja por isso que ele não se importava muito com o capital. Era sempre assim, Walt sonhava, e Roy corria atrás do dinheiro para realizá-lo. Falando assim, até parece que a carreira dele foi fácil tendo o irmão do lado, mas não foi. Até chegar a ser o que foi, o sonhador teve que ralar muito para conseguir o que quis. Houve um tempo em que todos os seus negócios não davam certo, mas com muita determinação e otimismo, Walt conseguiu atravessar o mau tempo e a partir dai, abriu seu próprio estúdio onde trabalhava - junto ao irmão, a um amigo e aos outros poucos profissionais - por conta própria. Desde então, sua empresa não parou de crescer com o sucesso do famoso Mickey Mouse.

Walt apareceu com o som e as cores - que na época os desenhos ainda eram mudos em preto e branco. Com essas tecnologias, elaborou um estilo próprio de criar seus longas metragens (que na época, ainda era foto por foto para criar o movimento, beem trabalhoso!). Com a turma de Mickey Mouse e os magníficos filmes como A Branca de Neve e entre outros, Walt cresceu rapidamente por conta de seu visível talento. Claro que também houveram inúmeras vezes em que o estúdio Disney entrou em sérias dívidas, mas com seu inteligente irmão, eles souberam sair do buraco todas as vezes que caíam.

É contagiante sua dedicação ao trabalho, que na verdade, não era bem um trabalho para ele, era sua diversão, seu sonho. Por vezes, para Roy era um pesadelo, pois seu terrível e hiperativo irmão sempre aparecia com altos e caros desejos, e um deles foi a Disneylândia, um espaço onde todos os sonhos se realizavam e ainda realizam. Um parque em que a maioria das pessoas de todas as idades desejam ir (like me!)

Parece que ao ler sobre sua triste morte, o livro deixou um pouco de ser brilhante. E nos acontecimentos aparecia apenas tempestades e mais tempestades por conta da pessoa que iria suceder o mais alto cargo na empresa. Mas conforme o tempo passou, o céu começou a ficar novamente azul na Disney. A magia ainda estava naquele lugar, onde possibilitou a estréia de o Rei Leão, A Pequena Sereia, Aladim e A Bela e a Fera.
Para quem não sabe, Mickey Mouse realmente existiu. Este pequeno ratinho morava no mesmo quarto sujo que Walt morou - ainda no início da carreira. O pequeno animal fora sua única companhia na pior fase de sua vida (quando ele vê que tudo o que fez deu errado e quase pensa em desistir de tudo). Walt o alimentava com o pouco que tinha para dar; logo ele que nem imaginava que, mais tarde, quem o alimentaria seria o próprio rato.

Durante sua infância na fazenda em Marceline, Walt e seus irmãos trabalhavam para o pai. O pequeno sonhador apanhava várias vezes dele por conta de estar sempre parado pensando. O incrível é que ele não dava bola, pois sua mente estava acompanhada dos mais lindos sonhos que uma criança pode ter, pois seus melhores amigos eram os animais e as flores (seres que em todos seus longas aparecem). Foi de sua infância que o brilhante Walt tirou a maioria de suas inspirações, desde os personagens, os acontecimentos (os bons e os ruins), o cenário e entre outros fatores, sua ligação com a natureza e com a passagem para o mundo nasceu e cresceu com sua marcável infância. Essa a palavra que sempre o acompanhou durante toda a sua memorável vida, sua inocência e seus sonhos sempre estavam presentes em seu coração e em sua mente, que com maestria, conseguia fazer o impossível tornar-se realidade.

PorBella